Após Sucessos Na América Latina, RAFAEL, A Inovadora Da Tecnologia De Defesa Israelense, Projeta Oportunidades De Expansão No Brasil

620

A produtora de sistemas de defesa líder de Israel, a Rafael Advance Defense Systems, é uma das maiores exibidoras no pavilhão de Israel na LAAD. A companhia está apresentando aqui um grande número de sistemas, endereçados à segurança marítima e costeira, vigilância de área, monitoria e controle para áreas terrestres e urbanas, e reconhecimento aerotransportado e espacial. Respondendo ao interesse específico do Brasil em capacidades de defesa aérea de curto e médio alcance, a Rafael está apresentando aqui dois de seus sistemas Spyder de defesa aérea e o sistema contra foguetes, morteiros e mísseis Iron Dome. A companhia também frisa uma abordagem integrada de domínio do ar, empregando sistemas de reconhecimento e centro associado de processamento no solo, pedestais de mira, armas guiadas e sistemas de comando, controle e comunicações (C3). Para a arena naval, a Rafael está também promovendo a carga útil estabilizada multi-sensor Toplite, o sistema de arma estabilizada Mini-Typhoon, controlado remotamente, e Protector, uma lancha de superfície não tripulada. Estes sistemas podem operar efetivamente sob todas as condições atmosféricas.

Lova Drori, Vice Presidente Executivo da Rafael Advance Defense Systems, fala sobre os objetivos da Rafael no mercado da América Latina e especificamente o Brasil.

Defense Update: Quais são as principais oportunidades de marketing que você vê na América Latina e no Brasil para 2011?

Drori: A Rafael tem uma larga presença em algumas forças armadas latino-americanas, principalmente da Colômbia, Chile e Peru. Alguns de nossos sistemas estão também com a Força Aérea Brasileira, e temos vontade de expandir nossa cooperação com clientes e parceiros industriais em grandes programas de segurança e defesa planejados para o Brasil.

Nos últimos anos, a LAAD evolveu de um evento local brasileiro numa exibição regional, e, portanto, nos endereçamos a toda a região com um foco diferente. Em relação ao Brasil, que está se desenvolvendo numa potência em escala regional assim como global, enfatizamos vários aspectos de segurança e defesa, incluindo defesa aérea e segurança marítima e costeira, com a utilização de nossas tecnologias para comando, controle e inteligência para gerenciamento da segurança sobre vastas regiões de terra e mar, utilizando derivativos de nossos sistemas militares.

Ao entender a ênfase do Brasil em compras domésticas na maioria de seus programas de defesa e segurança, a LAAD está proporcionando à Rafael um excelente local para expandir sua rede dentro da indústria e comércio local. Armando o palco para uma futura cooperação industrial e projetos conjuntos, assim como a aquisição potencial de empresas locais, na busca de oportunidades de marketing no Brasil, a Rafael está se colocando como uma parceira em consórcios locais ou internacionais, oferecendo programas de aquisição de segurança e defesa, contribuindo assim como uma poderosa inovadora de tecnologia, fornecedora de hardware e provedora de sistemas.

Existem vários programas onde nossos sistemas poderiam ser integrados, incluindo a segurança de instalações offshore e áreas costeiras, a iniciativa de segurança do Amazonas, a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos e outras atividades regionais ou nacionais. A Rafael está pronta para fornecer às autoridades brasileiras as mais avançadas tecnologias ou cooperar com indústrias locais como membro da equipe, proporcionando tecnologia de ponta para a integração destes programas. Isto inclui sensores e sistemas para vigilância aérea, terrestre e marítima, tecnologias de processamento de imagens, e comunicações avançadas. A companhia também está preparada para oferecer sua mais recente tecnologia de micro-satélites, desenvolvida na Rafael, para proporcionar ao Brasil uma capacidade de reconhecimento baseado no espaço de alta rapidez de resposta e custo-efetiva.

Defense Update: Vocês têm ofertas no campo de coleta de inteligência e vigilância de largas áreas que servem para as necessidades do Brasil? O ambiente aqui é muito diferente de outras áreas de operação onde vocês estiveram envolvidos no passado?

Drori: Nossos sistemas de comando, controle, comunicações e inteligência podem também ser implementados para suportar uma rápida resposta em situações de emergência, proporcionando aos detentores de decisões em nível local, regional e nacional instrumentos para uma rápida avaliação situacional, tomada de decisões e primeiras respostas. Estas capacidades podem ser empregadas para suportar várias missões, desde monitoria e proteção de largas áreas de recursos naturais, monitoria e resposta de temas envolvendo a segurança, enchentes, terremotos e incêndios florestais, e até distúrbios internos ou ameaças externas. Cada contingência requer um nível diferente de fluxo de informações, tempo de resposta e capacidades periféricas.

Os sistemas de observação e monitoria não são desenhados exclusivamente para se opor a riscos de segurança ou ameaças militares. As soluções tecnológicas podem cobrir áreas de qualquer tamanho. A velocidade da resposta definida pelo cliente é que determinará a eficiência e a utilização do sistema, se monitoria de uma grande área para violações de uso da terra, queimadas em florestas, conduta de pesca ilegal, contrabando de drogas ou furtos em instalações de petróleo. Existem muitas opções de uso para os sistemas de monitoria e controle, que devem ser integrados com meios efetivos de cumprimento e resposta.

Defense Update: A abordagem brasileira em relação a Israel mudou nestes últimos anos? Israel sempre foi bem vinda aqui?

Drori: O Brasil está fazendo negócios com muitos países, entre eles Israel. Os brasileiros conhecem as capacidades de Israel em geral e as apreciam. Os brasileiros consideram Israel, junto com a Suécia e a França, como provedoras potenciais líderes de tecnologia estado da arte de defesa para seu país.

Defense update: O Brasil está considerando comprar o Rafale francês, o Super Hornet americano ou o Grippen sueco. A Rafael pode oferecer sistemas de armas, reconhecimento, mira e outros sistemas para cada um destes?

Drori: A Suécia, considerada uma das três finalistas para o programa F-X, está oferecendo o Grippen com uma larga escolha de armas e sistemas, parte deles, como os mísseis Python V e Derby, bombas guiadas Spice, pedestal de mira Litening e o pedestal Reccelite, produzidos pela Rafael, podem estar incluídos. Os outros contendores, França e Estados unidos, têm tradicionalmente oferecido seus caças apenas com armas e sistemas produzidos localmente. Em certos casos, foi o cliente que ditou quais armas e sistemas serão incluídos na aeronave. O Brasil também tem sistemas Rafael no seu inventário e esperamos que tenha uma abordagem similar quando selecionar seu caça futuro.

Para maiores informações sobre reportagens na LAAD pelo Defense Update, clique aqui.